Será que você conhece todas as Serras Brasileiras? Vem ver

Bahia, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo: sabe o que esses estados têm em comum? Todos eles têm regiões de serra com um circuito turístico e tanto. Epa, mas peraí: existem outras serras além da Serra Gaúcha e da Serra Catarinense? Sim, é isso mesmo. Apesar de elas terem se tornado bem famosas, não são as únicas do nosso país.

Lugares para viajar no Brasil: alguns dos destinos mais bonitos do país

Pois então o que acha de aprender um pouquinho mais sobre cada uma delas agora mesmo? Este post é exclusivo sobre as Serras Brasileiras, portanto continue lendo!

UM TOUR PELAS SERRAS DO BRASIL

1. Serra Catarinense

Serras Brasileiras: Cachoeira do Avencal - Urubici - Santa Catarina | Crédito editorial: Marcos Campos/Shutterstock.com

Cachoeira do Avencal, em Urubici, Santa Catarina, uma das principais representantes das Serras Brasileiras | Crédito editorial: Marcos Campos/Shutterstock.com

Com uma beleza natural deslumbrante, enquadrada entre montanhas e colinas, a Serra Catarinense é rodeada por florestas de araucárias, cachoeiras, rios, campos de altitude e cânions que descortinam cenários singulares. Formada por 17 municípios, entre os seus grandes destaques estão a Serra do Rio do Rastro, a Serra do Corvo Branco e o Morro da Igreja. Este último point, inclusive, é o ponto mais alto da serra, com 1.882 metros, e permite contemplar a Serra Geral, cadeia de montanhas que começa no Paraguai e corta o estado catarinense.

Serra Catarinense: quais cidades visitar?

Ah, e detalhe: uma das principais características da região é o frio intenso. Isso é tão verdade que, se a sua viagem for durante o inverno, existe a chance de ver até mesmo neve por ali. Já pensou?

2. Serra Gaúcha

Catedral de Pedra Canela Rio Grande do Sul Credito editorial Bernard Barroso shutterstock 1349421650

Catedral de Pedra – Canela – Rio Grande do Sul | Crédito editorial: Bernard Barroso/Shutterstock.com

A Serra Gaúcha, no Rio Grande do Sul (claro!), é, de longe, a mais conhecida das Serras Brasileiras. E quem já visitou a região sabe que não tem como resistir ao seu charme nato, meio brasileiro, meio europeu, envolto em um clima bucólico e quase mágico. Bento Gonçalves, Canela e Gramado são alguns dos nomes mais ilustres – e mais desejados pelos viajantes, diga-se de passagem.

Mas você sabia que a Serra Gaúcha é subdividida em três regiões? Pois é! São elas: Região Campos de Cima da Serra, Região Hortênsias e Região da Uva e Vinho. Todas elas guardam destinos bem bonitos e uma gastronomia dos deuses, coroada por amplos campos verdes e uma vida bem tranquila. Ou seja: vale a pena conhecer os seus mais de 40 municípios.

Afinal, quais cidades fazem parte da Serra Gaúcha? Conheça destinos imperdíveis

3. Serra Fluminense

Dedo de Deus - Teresópolis - Rio de Janeiro | Crédito: Shutterstock

Dedo de Deus – Teresópolis – Rio de Janeiro | Crédito: Shutterstock

Teresópolis, Resende, Penedo, Itatiaia, Visconde de Mauá… Já ouviu falar nesses destinos? Joia, porque eles são alguns dos integrantes da nossa próxima parada: a Serra Fluminense. Região montanhosa marcada pela forte presença da natureza, ali o relógio parece andar mais devagar, embora a vida não seja menos interessante. Cachoeiras escondidas, trilhas e muito ar fresco fazem dessas cidades de clima ameno ótimas opções para relaxar. No inverno, a dica é se esquentar diante de uma lareira e saborear um gostoso fondue.

Prepare-se também para admirar diversas construções históricas, sobretudo em Petrópolis e Itaipava, onde ainda hoje se encontram resquícios do Brasil Império. Em outras palavras, a Serra Fluminense está bem longe de decepcionar seus visitantes.

4. Serra Capixaba

Serras Brasileiras: Parque Estadual da Pedra Azul - Domingos Martins - Espírito Santo | Crédito: Shutterstock

Parque Estadual da Pedra Azul – Domingos Martins – Espírito Santo | Crédito: Shutterstock

O Espírito Santo não fica nem um pouco atrás quando o assunto são as Serras Brasileiras, sabia? Até porque suas regiões montanhosas já são conhecidas por muita gente, especialmente por quem se amarra em ecoturismo.

Para provar que a gente tá falando a verdade, aqui vai um dos nomes mais ilustres: Domingos Martins. De descendência alemã e italiana, o destino preserva importantes heranças culturais e grandes riquezas ecológicas, estando a apenas 1 hora de carro da capital Vitória. O lugar leva o apelido de “Cidade do Verde” devido à sua vasta área de Mata Atlântica e à diversidade da flora e da fauna.

Domingos Martins (ES): ecoturismo é a palavra de ordem

Quem vai pra Domingos Martins precisa conhecer o Parque Estadual da Pedra Azul. Trata-se de um santuário ambiental que, além de abrigar plantas e bichinhos, é o endereço da Pedra Azul, Pedra das Flores e da Pedra do Lagarto. As três fazem parte do patrimônio geológico nacional e formam um cenário bem bonito.

Ao mesmo tempo, a Serra Capixaba abraça também a Serra do Castelo, onde fica o Pico do Forno Grande, o segundo ponto mais alto do Espírito Santo, e a cidade de Venda Nova do Imigrante, por exemplo, considerada o berço do agroturismo brasileiro. Tá a fim de saber outro ponto forte da região? A gastronomia, cuja influência da cozinha italiana é um dos principais legados deixados pelos imigrantes. Portanto, nada de dieta, hein?

5. Serra Paulista

Serras Brasileiras: Pedra do Baú - São Bento do Sapucaí - São Paulo | Crédito: Shutterstock

Pedra do Baú – São Bento do Sapucaí – São Paulo | Crédito: Shutterstock

Como o assunto são as Serras Brasileiras, não tem como não mencionar aqui as cidades serranas de São Paulo. Epa, peraí, como assim? Campos do Jordão, por exemplo, fica na ilustre Serra da Mantiqueira, assim como Santo Antônio do Pinhal e São Bento do Sapucaí, pra citar mais alguns lugares. Todas elas são perfeitas para curtir um friozinho, tirar muitas fotos, comer bem e, acima de tudo, ficar em meio a muito verde.

Por outro lado, o gigante estado de São Paulo também abriga a região turística da Serra do Itaqueri. Ao todo, 13 municípios mesclam turismo rural, de aventura e gastronômico, colocando diversas atrações à disposição do visitante. Guarde bem esses nomes, pois eles estão entre os principais representantes da Serra do Itaqueri: Águas de São Pedro, Brotas, Limeira, Piracicaba, Rio Claro e São Pedro. Quem se dispõe a dar um giro pela região encontra casarões antigos, que remontam à época do cultivo do café, natureza abundante e rica cultura, traduzida também na culinária.

Campos do Jordão (SP): o que fazer no destino
O que fazer em Brotas (SP): 8 pontos turísticos imperdíveis

Tem mais? Tem sim! Isso porque também corta o estado a chamada Serra do Mar, que percorre destinos como São Sebastião, Cunha e Caraguatatuba. Aliás, por falar nisso, cabe ressaltar o Parque Estadual Serra do Mar, que abrange e protege 25 municípios paulistas e animais ameaçados de extinção. Afinal de contas, são 332 mil hectares!

6. Serra Mineira

Trilha do Platô - Monte Verde - Minas Gerais | Crédito: Shutterstock

Trilha do Platô – Monte Verde – Minas Gerais | Crédito: Shutterstock

Já que a gente acabou de falar de São Paulo, vamos agora a mais um belo exemplo das Serras Brasileiras: a Serra Mineira. Atendendo também pelo nome Circuito Serras Verdes, a região é nota mil para quem ama clima de montanha e faz parte da Serra da Mantiqueira. Mais do que o ar puro, oferece espaço e infraestrutura para a prática de esportes de aventura, bem como paisagens enfeitadas por florestas de pinheiros e araucárias.

O que fazer em Monte Verde, em Minas Gerais
Pontos turísticos de Minas Gerais em 6 destinos imperdíveis

Vale a pena visitar as 20 cidades que compõem o circuito. Porém, se o tempo for curto, a dica é aproveitar para circular por Monte Verde, no distrito de Camanducaia, Extrema, Itapeva e Pouso Alegre. Apesar de os municípios terem se desenvolvido bastante com o passar do tempo e proporcionarem conforto e aconchego ao visitante, um dos seus pontos fortes é ter mantido vivos os hábitos da vida no campo. Por isso, é fácil, fácil encontrar por ali fogões a lenha e produtos artesanais – sejam de comer, sejam na forma de artesanato. A ideia é promover um mergulho na história e fazer o visitante se sentir como se estivesse nas antigas fazendas. Legal, né?

7. Serra Paraibana

Serras Brasileiras: Cachoeira do Ouricuri - Pilões - Paraíba | Crédito: Shutterstock

Cachoeira do Ouricuri – Pilões – Paraíba | Crédito: Shutterstock

Acredite se quiser: as serras também têm espaço garantido no Nordeste do país. Para começar, vamos falar do querido estado da Paraíba. A pouco mais de uma hora de carro da capital João Pessoa, a cidade de Areia, por exemplo, ajuda a compor o ainda pouco conhecido Brejo Paraibano. Em linhas gerais, o lugar pode ser descrito como uma microrregião do estado onde o clima é mais úmido e onde não são as praias as grandes estrelas. Não tem nada a ver com pântano ou coisa do tipo, viu?

Além de sua importância histórica – Areia tem mais de 400 casas tombadas pelo IPHAN –, prevalecem no Brejo temperaturas mais amenas e a típica vida de cidade do interior. O turismo ainda não posicionou o destino na rota da maioria dos viajantes, mas a hospitalidade já é uma marca registrada. Some a isso a possibilidade de testemunhar uma experiência cultural autêntica, amparada em uma culinária rica em frutas e delícias (caso da tapioca), e o que se tem é um baita motivo para visitar mais essa opção das Serras Brasileiras.

Outros municípios que fazem parte do Brejo Paraibano são: Alagoa Grande, Alagoa Nova, Bananeiras, Borborema, Matinhas, Pilões e Serraria.

8. Serra Potiguar

Martins Rio Grande do Norte shutterstock 1964565991

Martins – Rio Grande do Norte | Crédito: Shutterstock

Quem acha que o Rio Grande do Norte é feito apenas de litoral levanta a mão! Pois saiba que você está muito enganadx, viu? O estado é outro polo para o ecoturismo e, devido às suas regiões montanhosas, ajuda a engrossar a lista de Serras do Brasil.

Para explorar a Serra Potiguar, nada melhor do que começar pela dupla icônica Portalegre e Martins. Da mesma forma que acontece com Gramado e Canela, no Rio Grande do Sul, ambas são vizinhas: 40 km as separam. Um dos seus diferenciais é o fato de que, durante o inverno (ou seja, de junho a agosto), a temperatura dificilmente supera os 18°C. Dá pra imaginar isso no Nordeste?

Alguns dos atrativos de Portalegre, por exemplo, são as cachoeiras do Pinga, do Talhado e da Chã de Vila, os sítios arqueológicos da Pedra do Letreiro e da Furna do Pelado, a Trilha das Torres, o mirante Boa Vista e a Fonte da Bica.

De carro pelo Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco

E não acaba por aí não, porque a Serra de São Bento é outra parada obrigatória no estado. A cidade, a 130 km de Natal, é dona de muito verde, formações rochosas – destaque para as pedras do Sapo, do Trouxa e do Cruzeiro – e paisagens belíssimas, que podem ser curtidas em trilhas a pé ou a cavalo. Leve roupas quentinhas se quiser visitar a região no frio: os termômetros podem marcar 12°C no inverno.

9. Serra Pernambucana

Serra Negra distrito da cidade de Bezerros Pernambuco shutterstock 1770950285

Serra Negra – distrito da cidade de Bezerros – Pernambuco | Crédito: Shutterstock

Que tal deixar as praias maravilhosas e o forte calor de lado na sua próxima viagem a Pernambuco? Parece impossível, né? Mas saiba que não é não! A Serra Pernambucana, mais uma representante das Serras Brasileiras, faz jus ao estado e oferece uma porção de atrativos para os visitantes. Vitória de Santo Antão, a cerca de 50 km de Recife, brinda todo mundo com uma natureza exuberante, ao passo que Caruaru é a cara do Nordeste: promove uma imersão na cultura regional por meio das comidas e produtos típicos e, de quebra, realiza o que ficou conhecido como o “maior São João do mundo”.

O ecoturismo também fala alto em Bonito, que tem sua fama atrelada às cachoeiras e à possibilidade de fazer trekking, e em Bezerros. Aliás, além de trilhas e caminhadas, Bezerros é bem movimentada durante o Carnaval. Gravatá, por outro lado, apelidada de “Suíça Pernambucana”, reúne passeios, compras (alô, artesanato!) e gastronomia. Outra boa opção é Garanhuns, a “Cidade das Flores”.

Enquanto isso, Brejo da Madre de Deus se vangloria por ter o Nova Jerusalém, o maior teatro a céu aberto do mundo. Não é de se estranhar, por conseguinte, que muita gente costume viajar para lá durante a Semana Santa para assistir à encenação da Paixão de Cristo. Para coroar, o destino também oferta passeios e trilhas (a pé ou de bike), como o Parque das Esculturas Monumentais.

10. Serra Cearense

Vicosa do Ceara shutterstock 1886223766

A bela natureza de Viçosa do Ceará – Ceará | Crédito: Shutterstock

Combinação perfeita entre natureza, sabores e esportes radicais, a Serra Cearense é sempre uma ótima opção de viagem. A mais ou menos 360 km de Fortaleza, a cidade de Viçosa do Ceará geralmente é a porta de entrada para a região. Deixe as roupas de banho na bagagem por um tempo: a temperatura gira em torno de 22°C. Ainda hoje são vistos na arquitetura e na cultura do destino os traços das colonizações francesa e portuguesa e a forte influência indígena.

Assim como Viçosa, outros points da microrregião de Ibiapaba, pertinho da divisa com o Piauí, valem a visita. O principal deles é o Parque Nacional de Ubajara, localizado em um município que leva o mesmo nome. É ali onde fica a Gruta de Ubajara, cujo interior, repleto de estalagtites e estalagmites, é possível explorar.

Se amarra em literatura brasileira? Então não pode deixar de visitar a Bica do Ipu, a maior cachoeira da Serra da Ibiapaba, imortalizada no romance “Iracema”, de José de Alencar.

6 destinos nacionais para quem ama literatura

11. Serra Baiana

Serra do Sincora Chapada Diamantina Bahia shutterstock 1238804347

Serra do Sincorá – Chapada Diamantina – Bahia | Crédito: Shutterstock

Por fim, a nossa última parada é na Serra Baiana (ou Serra Geral), uma importante integrante das Serras Brasileiras. Não precisa se esquecer, não, do litoral bastante chamativo: a ideia é só jogar uma luz à diversidade oferecida pelo estado.

Um dos destaques ali é a Serra das Almas, cadeia de montanhas que fica entre Rio de Contas e Livramento de Nossa Senhora. Tá a fim de saber um detalhe interessante? Como um complemento ao verde da paisagem, a região abriga não só orquídeas, como também plantas carnívoras. Mas não precisa ter medo não, viu? Outro atrativo é o Pico das Almas, que observa a tudo e a todos do alto dos seus 1.958 metros.

Quer mais? Pois tem ainda a Serra do Leão, na cidade de Pé da Serra, cujo cruzeiro é um marco na Sexta-Feira Santa; a Serra do Sincorá, que faz parte da Chapada Diamantina e engloba, entre outros pontos turísticos, o Morro do Pai Inácio; e a Serra da Tromba, que presenteia os visitantes com cachoeiras – caso das cachoeiras do Cochó e do Patrício – e belas fotos de seus paredões em quartzito.

Quer conhecer as Serras Brasileiras?

E aí, gostou de conhecer as Serras Brasileiras? Se quiser visitar alguma delas em um futuro próximo, lembre-se de consultar um agente de viagens, viu? Assim você garante assistência a todo e qualquer momento, assim como um roteiro que seja a sua cara e caiba no seu bolso. Só não se esqueça de que o momento continua bastante delicado e que o ideal é cuidar da sua saúde e da sua segurança, OK?

Por que comprar com um agente de viagens? Confira 13 motivos

Agora, caso você já tenha conhecido um ou mais destinos citados neste texto, conta pra gente nos comentários. A mesma coisa vale para o caso de querer mencionar algum lugar que acabou ficando de fora do post! Isso porque seu depoimento pode esclarecer as dúvidas de outras pessoas – e também porque é muito bom falar de viagem 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Your compare list

Compare
REMOVE ALL
COMPARE
0