Veja lista de países onde brasileiros têm entrada autorizada

*Atualizado às 10h07 do dia 14/05/2021
23 países onde brasileiros têm entrada autorizada | Crédito: Shutterstock

Veja lista de países onde brasileiros têm entrada autorizada | Crédito: Shutterstock

A pandemia causada pelo novo coronavírus trouxe consigo uma série de restrições quando o assunto são viagens. Assim como vem acontecendo com muitos turistas ao redor do planeta, os brasileiros também estão sentindo o impacto desse momento delicado.

Mas não se preocupe, não! A gente fez uma listinha reunindo todos os países que estão de portas abertas para receber os viajantes canarinhos. Bônus: neste post você também fica por dentro das exigências requeridas dos passageiros no momento do desembarque. Lembre-se: é fundamental consultar um agente de viagens, pois assim você se mantém a par de todas as mudanças que os países resolverem fazer e não é pego de surpresa, já que abertura e fechamento de fronteiras, por exemplo, podem ser realizados sem aviso prévio.

Confira a seguir para onde os brasileiros podem viajar!

Destinos já abertos para brasileiros e suas exigências

Barbados | Crédito: Shutterstock

Bridgetown – Barbados | Crédito: Shutterstock

Afeganistão: destino reaberto e com voos retomados. Entretanto, é obrigatório apresentar teste PCR negativo para COVID-19, emitido no máximo 96h antes do embarque no último voo direto para o país.

África do Sul: para entrar no país é necessário portar um teste PCR negativo para COVID-19, emitido no máximo 72h antes da data da viagem. Quem não apresentar o teste deverá cumprir quarentena. Além disso, obrigatório o uso de máscaras faciais. As vciagens internacionais permanecem restritas aos aeroportos Oliver Tambo (Joanesburgo), Cidade do Cabo e King Shaka (Durban). Pelo destino se encontrar na Fase 1 das restrições, casas noturnas, cruzeiros e eventos esportivos permanecem proibidos.

Albânia: exigido o uso de máscaras em locais públicos. Um toque de recolher está em vigor todos os dias, das 22h às 6h. Com exceção deste horário, a circulação pelo país é livre.

Andorra: brasileiros podem entrar, mas, para chegar ao destino, é preciso passar por França ou Espanha, países que ainda estão fechados para viajantes canarinhos. Sendo assim, as regras para entrar em Andorra são as mesmas que as exigidas pelos dois países. A Espanha, por exemplo, exige o seguinte de viajantes que podem entrar na região:  testes com resultado negativo para COVID-19, emitidos no máximo 72h antes da chegada ao país (medida não válida para menores de 6 anos), e o preenchimento de um formulário on-line, o qual, ao final, gera um QR Code. Este QR Code deve ser apresentado no momento do desembarque. Além disso, todos os passageiros estão sujeitos à quarentena de 10 dias. Mais detalhes disponíveis aqui.

Armênia: todos os turistas devem apresentar exame negativo para COVID-19, emitido no máximo 72h antes da chegada ao país. O resultado deve estar em inglês, armênio ou russo. Quem não apresentar o exame, está sujeito à realização de um teste após o desembarque (o teste deverá ser pago pelo próprio passageiro). Mais informações disponíveis aqui.

Antígua e Barbuda: obrigatória a apresentação de teste negativo para COVID-19, o qual tenha sido realizado em laboratórios certificados no máximo sete dias antes da chegada à região. Ao chegar, todos precisam preencher uma declaração de saúde e se submeter à triagem médica e à checagem de temperatura. Passageiros que chegam por cruzeiros estão sujeitos à quarentena. Durante a viagem, todos serão monitorados por até 14 dias, podendo ser testados no momento da chegada ou no hotel. O uso de máscaras é requisitado em todos os momentos. Da mesma forma, o distanciamento social precisa ser respeitado. As informações atualizadas com as exigências para ingressar no destino podem ser acessadas aqui.

Bahamas: em primeiro lugar, é preciso fazer o PCR para COVID-19 no máximo cinco dias antes da data prevista de chegada ao destino e ter o resultado negativo. O teste deve ser enviado via portal do Health Visa e apresentado na entrada do destino. Ao mesmo tempo, todos os passageiros precisam preencher um formulário eletrônico e obter um visto de saúde obrigatório para entrar no país. Inclusive, atenção: o visto leva 72h para ficar pronto, portanto é preciso garantir que ele seja emitido em tempo hábil para a viagem. O uso de máscara é obrigatório. Todos os protocolos podem ser lidos na íntegra.

Bahrain: até 15/05/2021 passageiros não podem entrar no país, a menos que tenham obtido o visto eletrônico antes do início da viagem ou, então, estejam aptos a obtê-lo na chegada ao país. Além disso, podem ser submetidos à realização de um teste para detecção do novo coronavírus no momento da chegada (a medida não se aplica a menores de 6 anos), bem como a um autoisolamento às suas próprias custas até o resultado sair. Quem ficar mais de 10 dias no país terá de fazer um novo teste no 10º dia.

Barbadospassageiros originários de países com grande volume de casos confirmados (caso do Brasil) devem portar o resultado de teste negativo para COVID-19, realizado até três dias antes da chegada ao país, e submeter o resultado nesta plataforma com até 24h de antecedência à viagem. Ah, e importante: leve uma cópia do resultado ao aeroporto, pois você também terá de apresentá-lo na chegada ao destino. Nos primeiros cinco dias no país não será permitido sair do hotel, visto que, no quinto dia, os passageiros serão testados novamente. Se o resultado der negativo, está liberada a circulação pela região. Barbados preparou um passo a passo com todas as medidas, o qual está disponível aqui. Quem preferir pode assistir ao vídeo.

Belize: exige que os visitantes façam o download do aplicativo Belize Health Travel App, preencham com todas as informações até 72h antes da viagem e gerem um QR Code para apresentar na chegada. Além disso, é obrigatória a apresentação de um exame negativo para COVID-19, realizado até 72h antes do embarque. Somente são aceitas reservas em hotéis pré-selecionados (Gold Standard Hotel) e é necessário comprová-la na chegada. Quem apresentar um ou mais sintomas no momento do desembarque terá de fazer um teste no aeroporto no valor de US$ 50 por pessoa. Em caso de resultado positivo, é obrigatória a quarentena de no mínimo 14 dias. Mais informações podem ser encontradas aqui.

Benin: é preciso apresentar teste PCR negativo para COVID-19 na chegada, assim como no momento de sair do país. Fora isso, é preciso preencher um formulário on-line antes do embarque. Guarde o código de autenticação gerado após o final do preenchimento, pois ele deverá ser apresentado no aeroporto de Cotonou.

Bermudas: é preciso apresentar teste negativo para COVID-19, realizado em um laboratório certificado e no máximo 7 dias antes do embarque, bem como preencher um formulário de autorização de viagem (entre um e três dias antes de chegar ao destino) e pagar taxa de US$ 75 por pessoa. Este valor cobre eventuais testes necessários durante a estada na região. Deve ser feito o upload do resultado do teste no formulário, bem como apresentá-lo na chegada ao destino. Mais informações podem ser obtidas aqui.

Bolívia: é obrigatório apresentar teste PCR com resultado negativo para COVID-19, realizado até 72h antes do embarque, assim como cumprir isolamento de 10 dias. No sétimo dia será realizado um novo teste RT-PCR, cujo custo ficará sob a responsabilidade do passageiro. Além disso, o viajante deve apresentar o comprovante da contratação de um seguro-viagem com cobertura para COVID-19 e informar onde se hospedará, seja hotel ou residência.

Burkina Faso: além do visto, é necessário apresentar resultado negativo do teste PCR, emitido até cinco dias antes da chegada. Todos os passageiros devem cumprir quarentena de 14 dias, durante a qual serão testados três vezes após a chegada: no primeiro, oitavo e décimo quarto dias.

Camboja: apresentação de teste negativo para COVID-19, feito até 72h antes do embarque, seguro-viagem com cobertura de pelo menos US$ 50 mil e depósito de US$3 mil, caso seja necessário tratamento médico e para eventuais taxas extras. É importante informar que, se um ou mais passageiros do voo estiverem contaminados, todos a bordo deverão cumprir quarentena de 14 dias. 

Chade: é necessário apresentar um teste negativo de COVID-19 realizado até 72h antes do desembarque na região. Ao chegar ao destino é preciso entregar o passaporte e permanecer em quarentena por sete dias. Após esse período o viajante deve fazer um novo exame para a detecção do coronavírus. É importante informar que o passaporte será devolvido apenas com a comprovação da realização do teste.

Colômbia: para a entrada no país é necessário apresentar teste PCR negativo para COVID-19, realizado até 96h antes da viagem, e mpreencher o formulário disponível neste site. O preenchimento deve ser feito com antecedência máxima de 24h da partida do voo e da entrada nos postos de controle de imigração na Colômbia. O uso de máscara é obrigatório em todo o país, assim como o respeito ao distanciamento social. Não é necessário cumprir quarentena e o passageiro pode transitar por diferentes cidades colombianas.

A fim de garantir a segurança de todos, hotéis estão operando com 40% de sua capacidade. Além disso, meios de hospedagem, prestadores de serviço, shoppings, supermercados e passeios em geral estão cumprindo protocolos de biossegurança, que incluem higienização constante das mãos, aferição de temperatura e distanciamento social de 2 metros. Restaurantes e bares estão abertos, mas com limite de público e cardápios acessados por meio de QR Code. Todos os protocolos adotados pelo país podem ser lidos aqui.

Comores: é indispensável a apresentação de um teste PCR negativo para o novo coronavírus. O mesmo deve ter sido feito com até 72h de antecedência do primeiro ponto de embarque. Além disso, todos devem preencher um formulário de saúde antes de embarcarem.

Costa do Marfim: todos os viajantes devem apresentar teste negativo para COVID-19, realizado até cinco dias antes do primeiro ponto de embarque. A medida, todavia, não se aplica a menores de 11 anos. Além disso, é preciso preencher o Formulário de Declaração de Saúde antes da viagem. O documento deve ser impresso, já que será apresentado no momento da chegada ao país.

Costa Rica: os turistas devem preencher um formulário on-line que gerará um QR Code antes da partida para o destino. Além disso, é obrigatório dispor de um seguro-viagem com cobertura para tratamento e hospedagem em caso de contaminação por COVID-19. Embora não seja necessário apresentar teste PCR com resultado negativo, todos os viajantes devem seguir as normas de segurança e saúde, como utilizar máscaras faciais a todo momento, submeter-se à checagem de temperatura na chegada e respeitar o distanciamento físico. Mais informações podem ser encontradas neste link.

Cuba: todos os viajantes precisam apresentar diagnóstico negativo para COVID-19 (teste RT-PCR), realizado no máximo 72h antes da viagem, bem como fazer um novo teste no momento do desembarque, cujo valor deve estar incluído no preço do bilhete aéreo. Ao mesmo tempo, os passageiros devem ter seguro-viagem com cobertura para despesas causadas por contaminação pelo novo coronavírus (quem chegar sem o seguro-viagem terá de adquiri-lo na chegada), preencher uma declaração de saúde e cumprir quarentena obrigatória de 7 dias em instalações hoteleiras selecionadas. O custo fica sob a responsabilidade do turista. Detalhes podem ser obtidos aqui e/ou aqui.

Curaçao: para entrar no país, brasileiros devem preencher o Cartão de Imigração Digital e o cartão localizador de passageiros (PLC), ambos no mesmo site e com 48h de antecedência do embarque. É obrigatório levar uma cópia impressa do PLC como comprovante para apresentar na chegada. Além disso, é preciso dispor de um resultado negativo para o teste PCR (exames com base em gargarejos não serão aceitos), emitido no máximo 72h antes da viagem, e fazer o upload do resultado no mesmo site da imigração. Fique atento: crianças de até 6 anos que não apresentem sintomas, e cujos pais tenham comprovante negativo do exame PCR, não precisam fazer o exame. Outras informações podem ser acessadas aqui e aqui.

Djibouti: obrigatória a apresentação impressa de teste PCR negativo para COVID-19, emitido pelo menos 72h antes do embarque e no máximo 120h antes da chegada ao destino. Quem não tiver o teste em mãos está sujeito à realização do exame no momento do desembarque. De toda forma, todos os passageiros podem ser submetidos à triagem médica e à quarentena às suas próprias custas. Essas medidas não se aplicam a menores de 12 anos.

Dubai - Emirados Árabes Unidos | Crédito: Shutterstock

Dubai – Emirados Árabes Unidos | Crédito: Shutterstock

Dominica: visitantes estrangeiros originários de países de alto risco (caso do Brasil) devem, em primeiro lugar, preencher um formulário on-line pelo menos 24h antes do início da viagem. Da mesma forma, é preciso, neste mesmo link, fazer o upload do teste PCR com resultado negativo para COVID-19, realizado no máximo 72h antes da chegada ao destino. O teste também deve ser apresentado na chegada ao destino. Após o desembarque, todos os viajantes devem se submeter a um teste rápido. Caso dê positivo, um teste PCR será realizado. Até o resultado deste último sair, o viajante será encaminhado para um local indicado pelo governo e terá de arcar com esse gasto (haverá ainda a cobrança de US$ 40 pelo teste). Caso o resultado dê negativo, um período de quarentena de no mínimo cinco dias terá de ser respeitado. Todos os protocolos estão reunidos neste link. Mais informações aqui.

El Salvador: entrada autorizada somente mediante certificado médico impresso com resultado negativo (teste PCR) para o novo coronavírus, emitido no máximo 72h antes da partida do primeiro ponto de embarque. As regras não se aplicam a passageiros com menos de 2 anos. Atenção: não podem entrar turistas que, nos últimos 30 dias, estiveram na África do Sul ou no Reino Unido.

Emirados Árabes Unidos: nesse destino é importante saber que cada emirado tem suas próprias regras. Dubai, por exemplo, solicita a apresentação de um atestado médico comprovando resultado negativo para COVID-19, o qual deve ter sido realizado no máximo 72h antes do embarque. Pode ser necessário fazer outro teste PCR no momento da chegada. Neste caso, o passageiro deverá permanecer em seu hotel até receber o resultado. Se der positivo, ele terá de ficar em isolamento e seguir as diretrizes das autoridades de saúde da região. Viajantes também devem fazer o download do aplicativo COVID 19 – DXB Smart App iOS-Android. Para obter detalhes completos sobre as restrições e os requisitos mais recentes, basta clicar aqui.

Já Abu Dhabi exige a quarentena de 10 dias e teste PCR Negativo realizado com menos de 72h da partida. Isso vale para todos os turistas, sejam eles provenientes de outros países ou de outros emirados. Todos os viajantes terão de realizar um teste PCR no sexto e no décimo segundo dias de estada, caso fiquem por este período na região. Cabe ressaltar que a companhia aérea Emirates oferece cobertura multirrisco gratuita para custos de saúde e quarentena de COVID-19. Regras e condições podem ser consultadas neste link. Importante: passageiros de até 18 anos estão isentos do visto de entrada nos Emirados Árabes. Porém, será cobrada uma taxa de US$ 14 pela Desert Adventures para o processo de isenção do visto.

Egito: turistas devem apresentar exame PCR negativo para o novo coronavírus, realizado no país de origem e emitido com antecedência máxima de 72h do embarque. Ao mesmo tempo, também é necessário o preenchimento do Cartão de Saúde Pública ao desembarcar no país e dispor de seguro-viagem.

Equador: brasileiros devem apresentar teste PCR negativo na chegada ao país, feito com no máximo 10 dias de antecedência à data de check-in. Quarentena obrigatória de 10 dias, bem como comprovante de contratação de seguro-viagem com cobertura para COVID-19 já no momento do embarque. Comércios, shoppings, restaurantes e atrações estão abertos, mas é preciso utilizar máscaras a todo momento, respeitar o distanciamento social e manter as mãos higienizadas.

Eslováquia: antes do embarque, é solicitado de todos os passageiros o preenchimento deste formulário, além de fazerem o registro on-line, também antes do embarque, aqui. Todos os viajantes que chegarem ao país e que não estejam vindo da União Europeia ou da Islândia, Noruega, Lichtenstein, Irlanda do Norte ou Suíça devem cumprir quarentena obrigatória. Mais detalhes podem ser conferidos nos seguintes sites: https://www.mzv.sk/web/en/covid-19http://www.uvzsr.sk/ ou https://korona.gov.sk/en/travelling-to-slovakia-and-covid19/.

Eslovênia: quem viajar para o país sem ter em mãos o teste PCR negativo para o novo coronavírus, emitido até 48h antes do desembarque,  pode ter de cumprir quarentena de 10 dias. Detalhes sobre isso podem ser encontrados neste link. Por outro lado, a medida não se aplica a: passageiros que testaram positivo para COVID-19 no mínimo 11 dias e no máximo seis meses antes da chegada à região; passageiros com um certificado de recuperação de COVID-19 (o teste positivo para a doença deve ter se dado no máximo seis meses antes da chegada ao país); e passageiros devidamente vacinados contra a COVID-19.

No momento, são aceitas as seguintes vacinas: a primeira dose da AstraZeneca ou da Covishield pelo menos 21 dias antes da chegada à Eslovênia; Janssen (dose única), aplicada no mínimo 14 dias antes da chegada; a segunda dose da Pfizer-BioNTech, aplicada no mínimo sete dias antes da chegada; e a segunda dose da vacina desenvolvida pela Moderna, bem como da Sputnik V, Sinovac ou Sinopharm, no mínimo 14 dias antes da chegada.

Etiópia: para ter a entrada autorizada no país é necessário portar um exame PCR negativo para COVID-19, realizado até cinco dias antes da viagem. Também é obrigatório realizar quarentena de 14 dias, sendo os primeiros sete dias em instalações governamentais.

Gabão: obrigatória a apresentação de exame PCR negativo para COVID-19, emitido até cinco dias antes da partida do Brasil. Além disso, passageiros estão sujeitos ao autoisolamento por 14 dias.

Gâmbia: passageiros devem apresentar resultado negativo para o teste do novo coronavírus, realizado no máximo 72h antes da viagem.

Gana: além do preenchimento de um formulário digital, também é obrigatório dispor do resultado negativo do teste PCR, realizado até 72h antes do desembarque.

Guiana: uma das exigências para a entrada é a apresentação de teste negativo para COVID-19, emitido no máximo sete dias antes da chegada ao país. Porém, ainda assim os viajantes estão sujeitos à realização de um novo exame no momento do desembarque. A única exceção são as pessoas que tiverem em mãos um teste com resultado negativo, emitido até 72h antes do embarque. Além disso, todos estão sujeitos à quarentena e devem preencher este formulário pelo menos 24h antes da viagem.

Guiana Francesa: todos os viajantes precisam preencher o Certificado de Viagem Internacional, o qual deverá ser apresentado antes do embarque e à imigração. Um exame médico poderá ser feito no momento da chegada e os viajantes podem ser submetidos à quarentena de 14 dias.

Rio Nilo - Luxor - Egito | Crédito: Shutterstock

Rio Nilo – Luxor – Egito | Crédito: Shutterstock

Guiné: viajantes devem apresentar exame negativo para COVID-19, emitido até cinco dias antes da partida rumo ao destino, e cumprir quarentena de 14 dias.

Guiné Bissau: só podem entrar no país viajantes que apresentarem teste PCR negativo para o novo coronavírus, o qual tenha sido emitido até 72h antes do início da viagem.

Guiné Equatorial: é preciso portar resultado negativo para o teste PCR, realizado no máximo 48h antes da chegada. Aqueles que não dispuserem do exame estarão sujeitos a um teste na chegada por sua conta.

Granada: para entrar no destino é necessário apresentar o certificado Pure Safe Travel, obtido antes do embarque. Ao mesmo tempo, os viajantes precisam portar um atestado médico com resultado negativo para o teste PCR, emitido no máximo 72h antes da partida do primeiro ponto de embarque. Esta medida, no entanto, não se aplica a menores de 5 anos. De toda forma, todos devem se submeter a exames médicos na chegada e podem estar sujeitos ao cumprimento de quarentena (mais detalhes podem ser encontrados no mesmo link do certificado). Importante: antes de preencher o formulário do certificado, os turistas devem pagar por um teste de COVID-19, a menos que tenham menos de 5 anos. O pagamento pode ser feito por meio deste link ou na chegada ao país.

Haiti: para entrar no país, visitantes devem preencher um formulário de declaração de saúde (entregue pelas companhias aéreas) e apresentar à imigração na chegada. No desembarque, além de terem que fornecer um endereço de estada no Haiti, estão sujeitos à realização de exames médicos. Quem não tiver passagem aérea de ida e volta pode ter sua entrada recusada.

Honduras: o país está permitindo a entrada de visitantes sem distinção de nacionalidade, desde que apresentem teste negativo para COVID-19 (PCR), emitido até 72h antes da chegada. Também é obrigatório o preenchimento de um formulário de autorização. Atualizações nos protocolos podem ser conferidas aqui (é só clicar sobre o país no mapa-múndi), enquanto informações sobre o destino estão disponíveis neste link.

Ilhas Virgens Americanas: para ter a entrada autorizada no destino é preciso contar com teste PCR com resultado negativo, feito cinco dias antes da viagem, e preencher e apresentar um formulário on-line. Esta última medida não se aplica a passageiros menores de 5 anos.  Aqueles que não tiverem o resultado do exame em mãos estão sujeitos à realização de um exame no momento do desembarque e à quarentena. Todos podem ser submetidos à triagem médica.

Ilhas Virgens Britânicas: todos os passageiros devem ter um Certificado de Autorização de Viajante do BVI Gateway, aprovado pelo menos 48h antes da partida (o link está disponível aqui), assim como resultado negativo para o teste RT-PCR. O teste deve ter sido emitido no máximo três dias antes da chegada ao destino. Outra exigência dos passageiros é um seguro-viagem com cobertura pra COVID-19. Todos estão sujeitos à triagem médica e à realização de um novo teste PCR ao desembarcar, podendo ter de ficar em quarentena por 4 ou 14 dias.

Irã: reaberto para os turistas, entre as novas medidas estão: obtenção prévia do visto via site do governo, apresentação de teste negativo para COVID-19, realizado até 96h antes do embarque, e preenchimento de documento de saúde na chegada ao país. 

Iraque: passageiros com destino a Bagdá e Basra devem apresentar resultado negativo impresso para COVID-19, emitido no máximo 72h antes do primeiro ponto de embarque. O teste deve estar em inglês ou em árabe (quem for viajar para Najaf deve apresentar o resultado somente em inglês). A medida não se aplica a menores de 10 anos; no entanto, eles estarão sujeitos a um teste PCR no momento do desembarque. Por outro lado, quem estiver indo para Erbil e Sulaymaniyah, por exemplo, deve apresentar o resultado negativo para o teste emitido no máximo 72h antes da chegada. Viajantes a caminho de Erbil ainda estão sujeitos à realização de um novo teste no momento da chegada (o valor fica sob a responsabilidade do passageiro), bem como ao cumprimento de quarentena em hotel por um período de 14 dias.

Jamaica: os viajantes devem apresentar uma autorização de viagem, obtida por meio do site Visit Jamaica com 5 dias de antecedência da viagem, e teste PCR negativo para COVID-19, emitido no máximo 10 dias antes do embarque. Mas atenção: passeios estão funcionando em horário reduzido, portanto é essencial planejar a viagem direitinho. Além disso, apenas veículos e táxis autorizados estão permitidos a circular pelo país.  

Jordânia: é obrigatório apresentar teste PCR com resultado negativo para o novo coronavírus, emitido no máximo 120h antes da chegada ao país. Esta medida, no entanto, não vale para menores de 5 anos. Ao mesmo tempo, todos devem instalar no celular o app AMAN Application, preencher os formulários de declaração de saúde e de localização antes do embarque e contratar um seguro-viagem que cubra toda a estada na região. Além disso, os viajantes estão sujeitos à realização de um novo teste ao chegarem. Por isso, já devem deixar o teste pago antes do embarque. Para voos com destino a Amã, o pagamento pode ser feito por aqui; passageiros que forem desembarcar em Aqaba devem efetuar o pagamento neste site. Será exigida a apresentação de um recibo eletrônico com QR Code para comprovar o pagamento.

Quem for fazer conexões na Jordânia também deve apresentar teste PCR com resultado negativo, mas, neste caso, ele deve ter sido emitido até 72h antes da chegada ao país. Este requisito também não vale para crianças de até 5 anos. As conexões estão restritas a 10h. Mais informações podem ser encontradas neste link.

Kosovo: aberto para estrangeiros, Kosovo exige teste negativo para COVID-19, emitido até quatro dias antes da chegada ao país.

Lesoto: todos os passageiros são colocados em quarentena de 14 dias e submetidos a testes para detecção de COVID-19.

Líbano: passageiros originários de países com grande volume de casos confirmados devem ter em mãos o resultado negativo para teste de COVID-19, emitido 72h antes do embarque. Caso contrário, terão de se submeter a um teste no aeroporto.  

Libéria: todos os passageiros devem fazer o download do aplicativo Liberia Travel App (clique aqui caso tenha um smartphone com o sistema operacional Android e aqui se o seu aparelho utilizar iOS) e preencher o Health Screening Arrival Form para monitoramento e eventual rastreamento. Ao mesmo tempo, é preciso apresentar resultado negativo para COVID-19 (teste PCR), emitido no máximo 7 dias antes do primeiro voo. Quem não tiver o resultado em mãos, está sujeito à realização de um exame no momento da chegada às suas próprias custas (a medida não vale para menores de 5 anos). De toda forma, todos estão sujeitos à quarentena e à triagem médica.  

Macedônia do Norte: sem restrições para a entrada ao país. Contudo, o destino exige a utilização de máscaras e não permite grupos com mais de duas pessoas em espaços fechados. 

Malawi: obrigatória apresentação de teste PCR negativo para o novo coronavírus, realizado até 10 dias antes da chegada ao país.

Maldivas: todos os passageiros, vacinados ou não, devem preencher um formulário on-line de Declaração de Saúde do Viajante, disponível aqui, 24h antes da partida rumo à região. Quem ainda não foi vacinado deve apresentar resultado negativo do teste PCR, em inglês, no aeroporto, no momento do check-in, bem como na chegada às Maldivas. O teste deve ter sido feito no máximo 96h antes do embarque ao destino. Em caso de escalas, o teste PCR inicial será válido desde que a conexão não ultrapasse 24h. Para escalas superiores a 24h, deve-se repetir o PCR no máximo 96h antes do embarque às Maldivas.

Agora, no que se refere aos passageiros já vacinados, é obrigatória a apresentação do certificado de vacinação. São aceitas apenas as vacinas aprovadas pela Organização Mundial da Saúde para uso emergencial ou por outra autoridade competente. Além disso, a última dose deve ter sido tomada 14 dias antes da viagem.

Importante: o trânsito entre as ilhas está temporariamente proibido. Isso significa que só é permitida, no momento, a permanência em uma única ilha, do início ao fim da estada, em um único hotel.

Mali: é preciso apresentar teste PCR negativo para COVID-19, emitido no máximo três dias antes do embarque, e cumprir quarentena de 14 dias.

Mauritânia: é exigido que os viajantes disponham de teste PCR negativo para COVID-19, emitido até 72h antes da chegada.

Cancún - México | Crédito: Shutterstock

Cancún – México | Crédito: Shutterstock

Méxicoafora a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais públicos e o correto cumprimento do distanciamento social, a única exigência do país é que os viajantes preencham o formulário eletrônico Cuestionário de identificación de factores de riesgo em viajeros. Para mais informações sobre isso, clique aqui. Caso queira checar as recomendações gerais para o turismo, é só dar um clique aqui.

Micronésia: para entrar no destino os viajantes precisam portar bilhetes de ida e volta. Não está autorizado entrar por Pohnpei, mas caso seja necessário viajar para o estado é obrigatória a apresentação de um atestado médico e quarentena de 14 dias.

Namíbia: o país está exigindo teste PCR negativo, emitido até 7 dias antes do embarque, e a realização de um novo teste no quinto dia de estada. Não é necessário cumprir quarentena.

Nicarágua: é obrigatória a apresentação de um teste PCR negativo para o novo coronavírus, realizado até 72h antes da chegada. O teste deve ser mostrado à companhia aérea e na entrada do destino. Uma vez na região, autoridades de saúde podem entrar em contato dentro de 14 dias para verificar eventuais sintomas. Atualizações dos protocolos adotados podem ser encontradas no site da IATA (basta clicar sobre o país). Outras informações disponíveis aqui.

Níger: é preciso apresentar teste PCR negativo para COVID-19, emitido no máximo 72h antes da chegada. Aqueles que não contarem com o exame estarão sujeitos a exame médico por sua conta no momento do desembarque. 

Panamá: para a entrada no país é necessário apresentar teste PCR com resultado negativo, feito com 48h de antecedência à chegada, e preencher um formulário on-line. Ao chegar ao Panamá, contudo, o passageiro terá de fazer um teste molecular de COVID-19 antes do registro na imigração. O custo do teste é de US$ 85 e de responsabilidade do viajante. Caso o exame dê negativo, quarentena obrigatória de 3 dias; caso dê positivo, o isolamento deve ser de 14 dias.

É importante ter em mente que o país está aberto, mas com restrições de mobilidade. Isso significa, por exemplo, que há um toque de recolher em vigor (de segunda a sexta-feira, das 21h às 4h, enquanto aos finais de semana o isolamento é completo, iniciando às 21h de sexta-feira e terminando às 4h de segunda-feira). Atividades turísticas seguem proibidas, assim como todos os passeios.

Palau: os viajantes precisam obter um Certificado de Quarentena aprovado antes do embarque – o documento terá de ser apresentado para a companhia aérea no aeroporto. A partir do momento que receberem a confirmação, serão solicitados a realizar o teste PCR e a enviar o resultado para o e-mail quarantine@palaugov.org. O certificado só será emitido quando o teste for recebido. Passageiros que tiverem saído de países com transmissão comunitária do novo coronavírus (caso do Brasil) terão de respeitar um período de quarentena de 14 dias. 

Paraguai: preenchimento obrigatório de uma ficha de saúde eletrônica 24h antes da viagem e apresentação de comprovante de contratação de seguro-viagem com cobertura para COVID-19 (incluindo a realização de testes RT-PCR, exames laboratoriais, serviço de ambulância, internação e UTI, por exemplo). Brasileiros devem cumprir quarentena de sete dias, seja em domicílio ou hotel.

Se a estada for menor do que sete dias (informação confirmada pelos bilhetes aéreos de ida e volta), o passageiro terá de apresentar teste RT-PCR com resultado negativo, emitido no máximo 72h antes do embarque – esta medida vale para todas as pessoas acima de 10 anos. Viajantes de outras partes do mundo que fizerem escala inferior a 24h no Brasil também devem apresentar teste PCR com resultado negativo, mas não têm de fazer quarentena. Quem puder comprovar que já teve COVID-19 entre 14 e 90 dias antes do embarque não precisa fazer um novo teste. Importante: a quarentena é mandatória somente para quem for se hospedar no Paraguai. Isso significa que, em caso de passeios mediante entrada pela fronteira terrestre, ela não é necessária.

Porto Rico: as fronteiras estão abertas, porém apenas para viagens essenciais, uma vez que a ida de turistas não está incentivada no momento. Quem precisar entrar na ilha deve preencher uma declaração de viagem, apresentar teste molecular de COVID-19 com resultado negativo (emitido no máximo 72h antes da chegada) e obter o número de confirmação de saída do aeroporto por meio do QR Code gerado ao cadastrar o resultado do exame no site do destino. Importante: viajantes que chegarem sem o teste com resultado negativo terão de cumprir quarentena obrigatória no aeroporto até que o resultado seja apresentado. A mesma coisa vale para quem apresentar sintomas no momento do desembarque: um teste será feito e a quarentena terá de ser cumprida. As informações mais atualizadas estão disponíveis aqui.

Quênia: a entrada no Quênia está vinculada à apresentação de exame negativo para COVID-19, realizado até sete dias antes do embarque.

República Centro-Africana: com o aeroporto da capital Bangui reaberto, é obrigatório ter um teste negativo para o novo coronavírus, emitido no máximo 7 dias antes da viagem. Ao desembarcar, todos serão testados novamente e correm o risco de ficar em quarentena de 14 dias. 

República Democrática do Congo: os passageiros precisam portar atestado médico com resultado negativo do teste PCR para COVID-19, emitido no máximo 72h antes do embarque, e respeitar quarentena de 14 dias.

República do Congo: também chamado de Congo-Brazzaville, como uma forma de diferenciá-lo da República Democrática do Congo, o país exige a apresentação de teste negativo para o novo coronavírus emitido no máximo 72h antes da chegada à região. A medida, entretanto, não vale para menores de 11 anos. Quem não tiver o exame em mãos terá de fazer um teste no aeroporto e se submeter à quarentena de 14 dias enquanto não saem os resultados – esses gastos devem ser arcados pelo próprio passageiro. Os viajantes podem ser submetidos à triagem médica, incluindo aferição de temperatura, na chegada e na saída do país. As máscaras são obrigatórias a todo momento. Bares e casas noturnas seguem fechados, já que aglomerações estão proibidas (a única exceção são os supermercados, onde está autorizada a permanência de mais de 50 pessoas).

República Dominicana | Crédito: Shutterstock

República Dominicana | Crédito: Shutterstock

República Dominicanatodos que entram no país precisam preencher um formulário eletrônico de entrada e saída E-Ticket, assim como este formulário (este último link, inclusive, apresenta as informações atualizadas dos protocolos). Não há a necessidade de apresentar testes de COVID-19, mas as autoridades farão testes aleatórios em quem chega à região e em quem apresentar sintomas. Por fim, não é obrigatório, mas recomenda-se a aquisição de um seguro-viagem com cobertura para eventuais despesas relacionadas à COVID-19.

Ruanda: sem restrições relacionadas à nacionalidade ou país de origem do voo, a Ruanda solicita teste negativo para o novo coronavírus, emitido até 72h antes do embarque. Ao chegar ao destino, todos os passageiros serão testados mais uma vez, ao custo de US$50, e precisarão ficar 24h em quarentena no hotel até sair o resultado. Caso dê positivo, o viajante será internado em alguma instituição do governo.

Samoa: é obrigatório dispor de bilhetes de ida e volta. 

Santa Lúcia: a apresentação de teste negativo para COVID-19, realizado até 7 dias antes do desembarque na região. Outras exigências são: cadastro e correto preenchimento do formulário de autorização de viagem para o país (com antecedência de três dias), entrega de uma carta que confirme que a estada no hotel foi verificada e reserva de hotel de quarentena por cinco dias. Mais detalhes sobre este último item podem ser encontrados aqui. Na chegada, todos os viajantes podem ser submetidos à realização de teste PCR e à quarentena. Quem quiser mais informações, é só acessar este link.

São Tomé e Príncipe: é obrigatória a apresentação de teste PCR negativo para o novo coronavírus, emitido no máximo 72h antes do embarque. A medida não vale para menores de 5 anos que viajam com os pais ou guardiões legais. Ao mesmo tempo, os viajantes podem ter de fazer um novo teste em um centro médico de São Tomé e Príncipe após o desembarque. Não está claro, pelo menos por enquanto, sobre a necessidade de cumprir quarentena.

São Vicente e Granadinas: antes de chegarem ao destino, todos os passageiros devem preencher corretamente um formulário de autorização de viagem e enviar, até 24h antes da viagem, um e-mail para coronavirustaskforcesvg@gov.vc com o resultado negativo do teste PCR, feito em laboratório certificado no máximo 5 dias antes do embarque. Ao mesmo tempo, turistas devem ter uma reserva em um hotel de quarentena feita por 10 dias (detalhes aqui). Todos podem ser submetidos à realização de novo teste PCR e à quarentena (clique aqui para tirar suas dúvidas quanto a este assunto). Para mais informações, basta acessar este link.

Senegal: viajantes brasileiros podem entrar no país desde que apresentem teste PCR negativo para COVID-19, realizado no máximo sete dias antes da chegada à região. Quem viajar sem este teste terá sua temperatura aferida e precisará preencher um termo de responsabilidade.

Serra Leoa: foi determinado que os visitantes apresentem teste PCR negativo para COVID-19, emitido até 72h antes do embarque, e que preencham um formulário online.

Sérvia: para entrar no país, todos os viajantes devem apresentar teste PCR negativo para COVID-19. O teste deve ter sido feito no máximo 48h antes da chegada à Sérvia. Os passageiros estão sujeitos à quarentena de 10 dias. Mais informações estão disponíveis aqui.

Somália: os viajantes devem apresentar teste PCR negativo para COVID-19, em inglês e impresso, emitido no máximo 96h antes da chegada ao destino.

Sri Lanka: são obrigatórios a apresentação de teste PCR negativo, com resultado em inglês, realizado menos de 96h antes da chegada ao país, e o preenchimento de uma declaração de saúde. Ao mesmo tempo, é mandatório contar com seguro-viagem com cobertura para COVID-19, disponibilizado pelo governo, bem como adquirir dois testes PCR (cada um custa US$40) no próprio site do pedido do visto.

St. Kitts e Nevis: necessário apresentar formulário de entrada, preenchido pelo site, mesmo, antes da partida, e teste PCR negativo feito três dias antes da viagem e traduzido para o inglês. Turistas estão sujeitos a exames médicos e também devem comprovar a reserva de hospedagem. Todos precisam baixar o app SKN COVID 19.

Sudão: obrigatória a apresentação de teste PCR negativo para o novo coronavírus, em árabe ou inglês, emitido até 96h antes da chegada.

Parque Nacional Tarangire Tanzania shutterstock 1480282913

Parque Nacional Tarangire – Tanzânia | Crédito: Shutterstock

Tanzânia: para brasileiros curtirem o destino, devem portar visto de entrada e preencher um formulário de vigilância sanitária ainda no avião. Não é necessário teste PCR, quarentena e nem uso de máscaras.

Togo: são obrigatórios o preenchimento de um formulário on-line e a apresentação de teste PCR negativo para COVID-19, emitido no máximo sete dias antes da viagem. O upload do teste deve ser feito aqui. Além disso, como todos estão sujeitos à realização de um novo teste quando chegarem, é preciso deixar um teste pago antes do embarque. A aquisição do teste está disponível neste site. A compra vai gerar um QR Code, que deverá ser apresentado no momento do desembarque.

Tunísia: visitantes estrangeiros são permitidos. No entanto, são exigidos de cada um dos passageiros: o preenchimento de um formulário de saúde antes do embarque, apresentação do QR Code gerado após o preenchimento do formulário (antes do embarque e na imigração) e o resultado, negativo e impresso, do teste PCR para detecção de COVID-19. O teste deve ter sido emitido no máximo 72h antes da chegada e pode estar em um dos seguintes idiomas: inglês, francês ou árabe. Além disso, todos os viajantes precisam ter a confirmação de uma reserva de hotel e estão sujeitos à quarentena de até 14 dias.

Turks & Caicoso arquipélago exige a obtenção de uma autorização de viagem, obtida por meio do preenchimento deste formulário. Inclusive, é preciso inserir o resultado negativo do teste PCR, feito em laboratório certificado não mais que cinco dias antes da viagem, e o seguro-viagem, que deve ter cobertura para eventuais gastos causados pela pandemia (quarentena, hospital etc.). Após o preenchimento, será enviado um certificado de autorização, o qual terá de ser apresentado na entrada do país e para a companhia aérea junto com o resultado do teste. Todas as informações podem ser encontradas aqui.

Ucrânia: obrigatório teste PCR negativo para o novo coronavírus, emitido no máximo 72h antes da chegada ao país (a medida não vale para menores de 12 anos), bem como seguro-viagem com cobertura para COVID-19 vigente para todo o período de estada. Mais informações disponíveis aqui.

Uganda: com os voos retomados em outubro, para entrar no país é preciso apresentar um teste PCR negativo para o novo coronavírus, realizado até 72h antes do embarque. Caso o viajante não tenha feito o exame, deverá arcar com um teste no momento da chegada ao país e permanecer em quarentena até a saída do resultado. 

Zâmbia: O único aeroporto que está operando é o Kenneth Kaunda International Lusaka Airport (LUN). Além disso, na chegada são aplicados testes e quarentena de 14 dias.

Zimbábue: apresentação de teste PCR negativo para COVID-19, emitido até 48h antes do embarque.

ESTADOS UNIDOS: QUARENTENA OBRIGATÓRIA EM OUTRO PAÍS

Nova York - Estados Unidos | Crédito: Shutterstock

Nova York – Estados Unidos | Crédito: Shutterstock

Você quer ir para os Estados Unidos? Se a resposta for sim, vai amar essa novidade. Brasileiros podem entrar no país, desde que cumpram quarentena de 14 dias em outro destino que tenha entrada autorizada no território norte-americano. Por exemplo, você pode pegar um voo para o México, ficar lá pelo período solicitado e depois embarcar rumo aos States.

E você, pretende viajar em breve ou vai esperar mais um pouquinho? Seja como for, não se esqueça de conversar com um agente de viagens, tirar todas as suas dúvidas sobre os países e garantir uma aventura tranquila e completamente segura.

Todas as informações podem sofrer alterações sem aviso prévio.

5 Comentários

  1. gostaria de viajar com vcs para Turquia e outro lugar.

    • SONIA MARIA DE OLIVEIRA disse:

      Ola bom dia Maria Aldecy, me chamo Sonia Maria, da Agencia 4Estações Turismo na cidade de Presidente Prudente, interior de São Paulo.
      Sou parceira da Trend a anos e deixo aqui meus contatos para que possa te auxiliar na escolha dos destinos dos seus sonhos.
      (18) 99165-9778, email: sonia.agtviagens@hotmail.com
      Me coloco a disposição, grande abraço.

  2. Ingrid disse:

    Dicas preciosas

  3. Helena - Andina Viagens disse:

    Atenção! A partir do dia 08/04/2021, o Equador determina que, todos aqueles que tenham por “origem, escala ou trânsito” o Brasil, devem realizar quarentena de 10 dias. Recomendo averiguação em: http://www.portalconsular.itamaraty.gov.br/alertas/equador-quarentena-obrigatoria-para-os-viajantes-provenientes-do-brasil

    • Segue Viagem disse:

      Informação atualizada no nosso post, Helena! As exigências mudam tanto, e tão rápido, que fica difícil manter o post 100% atualizado.
      De toda forma, superobrigada pelo seu comentário, ele foi fundamental!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Your compare list

Compare
REMOVE ALL
COMPARE
0