O que fazer em Seul: 9 motivos para visitar a capital da Coreia do Sul

Figurando entre as cidades mais organizadas e, com certeza, mais animadas de toda a Ásia, a capital da Coreia do Sul é bem desenvolvida, sustentável e, ao mesmo tempo, tradicional e cheia de história. Em linhas gerais, é uma excelente escolha pra quem está a fim de curtir um roteiro diferenciado. Sendo assim, que tal ficar a par de o que fazer em Seul? Vem com a gente!

Em alta: 25 destinos diferentes para conhecer

DESCUBRA O QUE FAZER EM SEUL, NA COREIA DO SUL

1. Provar o saboroso Korean BBQ

shutterstock 1771480436

Korean BBQ, um dos pratos mais tradicionais de Seul, na Coreia do Sul | Crédito: Shutterstock

Você é daqueles que não dispensam um prato com carne? Então você vai amar essa dica! O churrasco coreano (ou Korean BBQ) é o prato mais famoso da cidade. Por isso mesmo, ele é encontrado em todos os restaurantes. Consiste em assar/grelhar frango, carne suína ou bovina em uma grelha – que pode ser a gás ou carvão – direto na mesa. O gosto é muito bom; no entanto, aqui vai um spoiler: você vai sair um pouquinho defumado.

2. Fazer compras em Myeongdong

Credito editorial ARTYOORAN shutterstock 677701585

Tá a fim de fazer compras? Aposte no Myeongdong, em Seul, na Coreia do Sul | Crédito editorial: ARTYOORAN/Shutterstock.com

O que acha de aproveitar a estada para fazer algumas comprinhas? O nome pode até ser difícil pra nós – Myeongdong –, mas trata-se de uma área comercial muito movimentada. Ali dá pra encontrar um pouco de tudo: lojas de marcas internacionais, lojas de departamento e muitos lugares vendendo cosméticos e produtos para a pele. Para coroar, o local também tem uma variedade grande de comidas de rua – além de deliciosas, são baratinhas, uma vez que dá pra encontrar opções por mais ou menos US$ 4.

Outro diferencial é o fato de a maioria dos lugares ficarem abertos até as 22h, sendo que alguns só fecham as portas à meia-noite. Ou seja: você tem tempo de sobra pra comprar o que deseja.

Se quiser mais algumas dicas para fazer compras: Insadong oferece ampla oferta de artesanato, ao passo que o elegante bairro de Gangnam se tornou referência em itens vinculados à cultura pop coreana (ou hallyu). Por outro lado, o hanbok, roupa tradicional coreana, pode ser facilmente encontrado no Dongdaemun Design Plaza.

3. Visitar o Palácio Gyeongbokgung e assistir à troca da guarda real

Credito editorial PKphotograph shutterstock 1006853263

Palacio Gyeongbokgung – Seul – Coreia do Sul | Crédito editorial: PKphotograph/Shutterstock.com

Como a gente está dando dicas de o que fazer em Seul, uma visita ao maior palácio real do país não podia ficar de fora. Afinal, o Gyeongbokgung é enorme e permite que seus visitantes se sintam parte da realeza. Uma vez por lá, você verá de pertinho o Salão do Trono, o Pavilhão Gyeonghoeru (também chamado de Pavilhão Flutuante), as residências reais e a biblioteca, por exemplo, bem como passará pelos dois museus que o complexo abriga: o National Museum of Korea e o National Folk Museum of Korea.

Aliás, aqui vai um fato interessante: o palácio foi construído originalmente em 1395, mas teve suas instalações incendiadas no final do século 16. Permaneceu abandonado por muito tempo. Foi reconstruído e ampliado pelo Rei Gojong, na década de 1860, e novamente destruído em 1911. No entanto, o governo coreano vem se empenhando desde 1989 para manter sua arquitetura original. Inclusive, a arquitetura é um baita ponto forte, portanto aproveite para tirar muitas fotos.

Ah, e lembre-se: todos os dias, exceto às terças-feiras, às 10h e às 14h, acontece a troca da guarda real. Ela não é muito longa – dura mais ou menos 20 minutos – e é superdinâmica e colorida. Vale a pena!

4. Aproveitar Hongdae

Credito editorial Suchart Boonyavech shutterstock 671347711

Hongdae – Seul – Coreia do Sul | Crédito editorial: Suchart Boonyavech/Shutterstock.com

Quer atrações para o dia e a noite? Então a região de Hongdae tem tudo o que você procura. Alegre, cheia de bares, locais para compras e também endereço do Trick Eye Museum – museu de ilusão mais famoso do destino –, Hongdae é um espetáculo à parte e conta com apresentações de rua megadivertidas. O público jovem é maioria – mesmo porque está bem perto da Hongik University – e, não à toa, é vista como um importante polo cultural e de lazer.

Além do Trick Eye Museum, Hongdae abriga o Love Museum e o Ice Museum, assim como várias opções de karaokês (ou noraebang, em coreano), cafés temáticos e uma rua com uma veia artística muito grande, repleta de murais, grafites e reflexões. E isso é só pra citar alguns exemplos, tá? Em outras palavras, Hongdae precisa, sim, estar na sua listinha de o que fazer em Seul.

5. Viajar no tempo no Bukchon Hanok Village

shutterstock 783514513

Bukchon Hanok Village – Seul – Coreia do Sul | Crédito: Shutterstock

Mais antigo vilarejo de Seul, o Bukchon Hanok Village é encantador e sua arquitetura de mais de 600 anos está perfeitamente conservada. Hanok, pra explicar, é o nome dado às tradicionais casinhas coreanas. Com lojas, restaurantes, cafés e casas de chá, acima de tudo este pitoresco bairro promove uma imersão na cultura do país. Por conta disso, reserve um tempinho para explorá-lo com calma, viu?

Por fim, caso goste de galerias de arte e joias feitas à mão, pode comemorar, pois vai encontrar boas opções por ali.

6. Conhecer o Templo Budista Jogyesa

Templo Budista Jogyesa Seul Coreia do Sul shutterstock 1098056156

Templo Budista Jogyesa – Seul – Coreia do Sul | Crédito: Shutterstock

Se uma das coisas que você procura é mergulhar na cultura coreana, uma visita a um templo budista precisa estar na sua relação de o que fazer em Seul, né? Sendo assim, vale muito a pena conhecer o Jogyesa. Isso porque, além de ser o principal templo do país, também transmite uma paz sem igual. E tem mais: ele é completamente colorido e, com certeza, vai ganhar o seu coração.

7. Ficar frente a frente com a Demilitarized Zone (DMZ)

Memorial no Terceiro Tunel de Infiltracao na Area Desmilitarizada Seul Coreia do Sul Credito editorial PassionPhotography shutterstock 1325148101

Memorial no Terceiro Túnel de Infiltração, na chamada Área Desmilitarizada, que divide a Coreia do Sul e a Coreia do Norte | Crédito editorial: PassionPhotography/Shutterstock.com

É impossível visitar a Coreia do Sul e não conferir de pertinho um de seus pontos mais visitados. A Demilitarized Zone – ou, em português, zona desmilitarizada – faz divisa com a Coreia do Norte e, ao longo do passeio, dá pra observar soldados de ambos os lados frente a frente. A fronteira é uma das mais fortificadas do mundo. Estima-se que tenha mais de 1 milhão de minas terrestres, embora um acordo entre os dois países, firmado em 2018, garanta a retirada das minas visando transformar o lugar em uma zona de paz.

Se interessou? Maravilha! Porém, aqui vai um ponto de atenção: pra fazer esse tour é preciso contratar uma agência de viagens especializada, OK?

8. Sentir a vibe internacional do Itaewon

Itaewon Seul Coreia do Sul Credito editorial DiegoMariottini shutterstock 617123246

Itaewon – Seul – Coreia do Sul | Crédito editorial: DiegoMariottini/Shutterstock.com

Bairro mais internacional de toda a Coreia do Sul, o Itaewon tem uma vibe bem animada – isso sem falar na vida noturna. Por entre suas ruas você encontra uma série de pubs, restaurantes, bares, cafés, lojas… todos eles representando a cultura de várias partes do mundo. Por exemplo, a primeira e a maior mesquita da Coreia do Sul fica ali: a Mesquita Central de Seul.

Como se trata de uma região central, com uma estação de metrô que facilita a locomoção, muita gente gosta de se hospedar nessa área. De toda forma, mesmo que você opte por ficar em outro lugar, não se esqueça: Itaewon é um dos points a inserir na lista de o que fazer em Seul.

9. Aprender sobre a história no Memorial de Guerra da Coreia

Memorial de Guerra da Coreia Seul Coreia do Sul Credito editorial PassionPhotography shutterstock 1446608438

Um dos símbolos do Memorial de Guerra da Coreia – Seul – Coreia do Sul | Crédito editorial: PassionPhotography/Shutterstock.com

Por último, mas também muito importante, o Memorial de Guerra da Coreia. É uma das atrações mais populares da cidade. Rodeado por um belo jardim, logo na entrada uma grande ogiva divide os soldados norte-coreanos dos sul-coreanos. Um símbolo e tanto de o que a guerra dos anos 1950 representa até hoje. O museu, já que ele pode ser descrito assim, abriga equipamentos, embarcações e fotos e presta uma homenagem a todos que morreram na batalha.

Ah, e quer uma informação muito interessante? Se liga só: na parte externa do memorial, nos jardins, as estátuas de duas jovens seguram dois relógios. Um deles marca a data e o horário em que a guerra começou, ao passo que o outro segue funcionando. Este segundo só irá parar quando o país como um todo se reunificar.

Veja lista de países onde brasileiros têm entrada autorizada

Quer ir pra Seul? Consulte um(a) agente de viagens

Outono no Palacio Gyeongbokgung Seul Coreia do Sul shutterstock 487257514

Outono no Palácio Gyeongbokgung – Seul – Coreia do Sul | Crédito: Shutterstock

E você, se animou a visitar a cidade nas suas próximas férias, agora que já sabe o que fazer em Seul? Joia! Então consulte agora mesmo um(a) agente de viagens e comece a planejar um roteiro pela Coreia do Sul. Só assim você garante assistência a qualquer momento e, de quebra, tem acesso às melhores dicas!

Em contrapartida, se já tiver tido a chance de viajar para a região, deixe um comentário contando como foi sua experiência! Isso porque seu depoimento pode ajudar a esclarecer as dúvidas de muita gente 😉

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Your compare list

Compare
REMOVE ALL
COMPARE
0