Holanda de A a Z

Amsterdã - Holanda | Crédito: Shutterstock

Amsterdã - Holanda | Crédito: Shutterstock

Amsterdã, Haia, Roterdã ou Zwolle? Aqui tem espaço para as quatro representantes dos Países Baixos, que estão em alta quando o assunto é respirar ares de liberdade

Amsterdã – Holanda | Crédito: Kirkan Dmini

Um destino sem espaço para preocupações, no qual dedicar-se de corpo e alma aos prazeres da vida é a atividade favorita dos viajantes. E não poderia ser diferente! Afinal, como resistir a um passeio de bicicleta sob uma brisa refrescante, a uma volta de barco por canais históricos, a uma xícara de café acompanhada de stroopwafels (waffles holandeses), a uma foto diante de um jardim de tulipas ou à oportunidade de viver isso tudo e muito mais em um único lugar? Pode até parecer sonho, mas, acredite, a Holanda é desse jeitinho mesmo: um país plural que encanta justamente por suas singularidades.

Plena e plana

Chamada oficialmente de Países Baixos por ser dividida em doze províncias – duas delas de fato batizadas de Holanda, sendo uma do Norte e outra do Sul – e também por ter mais de 25% do seu território situado abaixo do nível do mar, a terra natal de Vincent van Gogh inspira bem-estar sob qualquer ponto de vista.

De proporções territoriais e populacionais semelhantes às do estado do Rio de Janeiro, é ao longo de 41,5 mil km² de extensão que seus 17 milhões de habitantes recebem visitantes do mundo inteiro, dando um verdadeiro show de tolerância e respeito à diversidade. Inclusive, se tem uma palavra que resume bem tal europeia é essa: diversidade.

Urbana, bucólica, histórica, moderna, esportista, gastronômica, baladeira e cultural, todos são bem-vindos à Holanda, uma pequena gigante facilmente explorada por meio de conexões ferroviárias e que nos convida para um tour por Amsterdã, Haia, Roterdã e Zwolle, quatro de suas estrelas principais.

PELOS BAIRROS DE AMSTERDÃ

Amsterdã – Holanda | Crédito: Amsterdam Marketing

No mapa, a capital holandesa é uma cidade só. Porém, basta caminhar ou andar de bike por suas ruas para perceber que, na real, Amsterdã acomoda vários lugares peculiares, o que é uma excelente notícia para os passageiros que buscam uma novidade a cada esquina. Por sinal, uma dica para fugir ainda mais do convencional é ir além da região central, onde ficam cartões-postais como a Praça Dam, o Palácio Real e o Museu de Amsterdã, explorando os muitos tesouros espalhados no entorno.

Um roteiro passo a passo

Dividida em bairros bastante distintos entre si, desbravar Amsterdã significa ir ao encontro de um universo de possibilidades para todos os gostos e perfis de viajantes.

#Partiu Amsterdã

Para os ecléticos, por exemplo, uma sugestão é curtir as áreas verdes e a atmosfera cosmopolita dos distritos de Bos en Lommer e De Baarsjes. Já para os fãs de história, a parada obrigatória é a praça Museumplein, que abriga os museus Rijksmuseum, Van Gogh, Stedelijk e Moco e está localizada no bairro de Zuid. Aos apaixonados por arquitetura, quem não pode ficar de fora do itinerário é Noord, o reduto de construções antigas e modernas ao estilo do NDSM Wharf, espaço cultural instalado em um antigo estaleiro.

Quer badalação? Então anote aí dois points imperdíveis: o De Pijp, onde é possível visitar o Albert Cuyp (maior mercado a céu aberto da Europa) e participar da Heineken Experience, promovida pela marca de cerveja holandesa, e o Distrito da Luz Vermelha, conhecido internacionalmente como um dos maiores polos de lazer e entretenimento noturno do país.

Agora, se a viagem for em família, os endereços que reúnem bares, restaurantes, lojas e centros culturais estão concentrados sobretudo entre as vizinhanças de Westerpark e Oud-West, na Amsterdam West, e no bairro de Oost, na zona leste da cidade.

HAIA: A PRAIA DA REALEZA

Haia - Holanda | Crédito: Holland Alliance

Haia – Holanda | Crédito: Holland Alliance

Sede da monarquia constitucional holandesa, Haia não só ocupa a posição de centro político como também a de destino com um amplo leque de atrativos, que variam desde programas histórico-culturais a atividades ao ar livre.

A cidade da paz e da justiça na Holanda

A menos de 40 minutos de distância (tanto de trem quanto de carro) da capital, para começar o passeio com o pé direito a melhor maneira é alugar uma bicicleta e sair pedalando entre um ponto turístico e outro.

Tendo como início do percurso os prédios da Binnenhof, que formam o coração político do país, outros monumentos históricos pertinho dali são: a Real Galeria de Arte Mauritshuis, onde está exposto o quadro “Garota com Brinco de Pérola”, de Johannes Vermeer (considerado a Mona Lisa holandesa), os museus Escher in het Paleis e Panorama Mesdag – neste último repousa a impressionante obra de Hendrik Willem Mesdag, de 120 metros de comprimento e 14 metros de altura, que transporta o visitante para o século 19 – e o Palácio Noordeinde, utilizado como local de trabalho pelo rei.

Pensa que acabou? Que nada! Fora uma série de lojas, galerias de arte, restaurantes, teatros festivais e belezas naturais, é em Haia que fica ainda a linda, leve e solta Scheveningen, a praia mais popular da Holanda que é um convite direto para a diversão à beira-mar.

A FUTURÍSTICA ROTERDÃ

Roterdã - Holanda | Crédito: Holland Alliance

Roterdã – Holanda | Crédito: Holland Alliance

A aproximadamente 40 minutos de trem de Amsterdã está Roterdã, a segunda maior cidade da Holanda, tida ainda como a mais moderna do país.

Dona de uma arquitetura vanguardista, a metrópole que teve de ser praticamente reconstruída após a Segunda Guerra Mundial hoje exibe, orgulhosa, uma autêntica coleção de obras de arte, protagonizadas por arranha-céus e pelo maior porto marítimo da Europa.

Modernidade e estilo em um único lugar

Durante um passeio de carro, de bicicleta, de barco ou até de ônibus aquático, vale a pena apreciar quatro símbolos do destino: as Casas Cubo (Kubuswoningen), residências com o formato de um dado inclinado a 45°; a Estação Central, que, além de ferroviária, serve como modelo arquitetônico para lentes fotográficas; o Mercado Municipal de Roterdã (Markthal), cuja fachada em forma de ferradura cede espaço a um polo gastronômico recheado de iguarias da culinária regional; e o Museu Kunsthal, tido como um ícone cultural pela qualidade do seu acervo e pelo design de status arrojado e contemporâneo.

Seguindo adiante, a oportunidade é ideal para conferir de perto a engenharia da Ponte Erasmus, que cruza o rio Nieuwe Maas, e de conhecer Kinderdijk, povoado a menos de uma hora de carro de Roterdã e famoso por seus 19 moinhos de ventos, reconhecidos como um dos mais importantes cartões-postais da Holanda.

A VERDE E HISTÓRICA ZWOLLE

Zwolle - Holanda | Crédito: Holland Alliance

Zwolle – Holanda | Crédito: Holland Alliance

De um lado, um centro medieval; do outro, árvores, árvores e mais árvores. Esse é o cenário que recepciona os visitantes em Zwolle, a principal cidade da região situada ao redor do Rio Ijssel e distante de Amsterdã a apenas 1h de trem.

Integrante da chamada Hanseatic Towns – liga comercial datada dos séculos 14 e 15 e formada por sete municípios – e eleita em 2006 como a cidade mais verde da Europa, em Zwolle natureza e história caminham juntas, podendo ser admiradas em um passeio cheio de charme, cultura e muito ar puro.

Entre as riquezas condensadas por ali, o destaque vai para as construções centenárias, que englobam fachadas, muralhas, o portão Sassenpoort e o canal em formato de estrela que rodeia o centro histórico – bem como a Igreja Gótica de São Miguel e o Museu de Fundatie, o qual, por sua vez, abriga obras de artistas como Vincent van Gogh e Piet Mondrian – e para os inúmeros parques arborizados, como o Park de Wezenlanden, perfeitos para curtir os bons ventos da Holanda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Your compare list

Compare
REMOVE ALL
COMPARE
0